Como o próprio nome diz, o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é uma taxação do Governo sobre diversos tipos de movimentações financeiras. Você já deve ter visto esta cobrança quando fica alguns dias no cheque especial. Ou então quando faz compras com o cartão de crédito em lojas ou sites em outra moeda que não seja o real.

O IOF é cobrado também em algumas aplicações financeiras, como títulos de renda fixa, por exemplo. E isso inclui aqueles aplicativos e carteiras digitais que fazem o dinheiro parado da conta render todos os dias, como a NuConta, PicPay e Mercado Pago.

Mas para este tipo de investimento, uma boa notícia: o valor do imposto é regressivo e, se o dinheiro ficar parado mais de 30 dias, você não precisa pagar nada de IOF.

Por exemplo: se você depositar uma grana em um investimento e no dia seguinte retirar o dinheiro, o IOF será de 96% em cima de tudo o que foi gerado de rendimento sobre aquele valor. Se esperar dois dias, o IOF será menor, e assim sucessivamente.

Como dissemos neste outro artigo, o imposto é pago no momento da retirada e deduzido automaticamente no saque. É também importante destacar que a porcentagem do imposto é apenas sobre o rendimento, ou seja, sobre o valor a mais que você ganhou, e não sobre o valor total.

Confira a tabela regressiva do IOF para investimentos:

Tabela Regressiva do IOF
Prazo (dias corridos) Alíquota de IOF Prazo (dias corridos) Alíquota de IOF
1 96% 16 46%
2 93% 17 43%
3 90% 18 40%
4 86% 19 36%
5 83% 20 33%
6 80% 21 30%
7 76% 22 26%
8 73% 23 23%
9 70% 24 20%
10 66% 25 16%
11 63% 26 13%
12 60% 27 10%
13 56% 28 6%
14 53% 29 3%
15 50% 30 0%

Fonte: Planalto.gov.br

Sobre o autor

Redação Tecnograna

Redação Tecnograna

Trabalhamos diariamente para trazer a melhor informação para ajudar você a ter vantagens financeiras com aplicativos e ferramentas digitais.

Deixe um comentário